Que estamos engatinhando quanto ao “sumo” que se pode tirar da internet nas relações de consumo e fortalecimento de uma marca, não é novidade. Nem precisa ser um gurú cibernético para perceber que a internet vem empreendendo mudanças significativas no comportamento de compra do usuário, que certamente continuará a sofrer cada vez mais influência do mundo virtual no processo de decisão no mundo real. Aliás, é cada vez mais difícil discernir o que realmente é real e o que é virtual, já que a mudança de comportamento é um fato de nossos tempos.

Diante de tanta mudança e tanta rapidez – parece que nenhum conhecimento é mais suficiente – já estava na hora de alguém se propor a estudar este “novo consumidor”, entender seu hábitos, como a compra se constroi em sua cabeça, seus anseios de consumo e tudo mais.

Foi isto que o Instituto Ibope Mídia fez! Desenvolveu uma importante pesquisa com mais de 3,4 mil pessoas com mais de 18 anos em todo o território nacional e com a ajuda do Target Group Index definiu quem é o novo consumidor brasileiro, ou se preferir, definiu o perfil do novo consumidor no Brasil.

Os números confirmam a importância de se construir uma marca no meio virtual, o que se chama de e-branding. Necessariamente para que isto aconteça é preciso ter presença nas redes sociais, local onde a aproximação com o consumidor é nata. Mas para formar opinião é necessário um canal que fale direto com este consumidor… este que está nas redes sociais e que navega na tênue linha que divide o real do virtual. Está aí a grande utilidade da ferramenta Blog… daí a necessidade das empresas que já acordaram para esta realidade em investirem em blogs corporativos.

Tudo isto por que estamos em era de Google e Wikipédia. E isto quer dizer “era da informação” e o consumidor responde a tudo isto com um grau de exigência pautado nesta informação. Ele sai muito mais a campo, ou pode-se dizer “a web” em busca de informações e mais informações sobre o produto ou marca de interesse, e só depois de se satisfazer é que transforma sua vontade em consumo. E tudo isto muito rápido!

A pesquisa mostra que 50% dos consumidores estão aptos a fornecer muitas informações sobre algum tipo de produto, enquanto 34% deles dizem que conversam bastante com muitas pessoas diferentes sobre produtos de interesse antes de efetuarem a compra, e 34% concordaram que é bastante provável que consigam convencer outras pessoas a respeito de determinados produtos com suas opiniões.

A imagem da marca e o valor agregado são importantes influenciadores nesta decisão, o que mostra a importância real do e-Branding. Cada vez haverá menos espaço para aqueles que só querem anunciar e vender sem se ocuparem em construir uma imagem na web.

A pergunta que não quer calar é: Você e sua marca estão preparados para os novos desafios?

  • Dilma Gomes

    Na minha opinião essa fronteira entre “real” e “virtual” passa a deixar de existir daqui p/ frente. concordo que o “virtual” incluindo redes sociais passam a ser como prolongamentos. Os desejos, comportamento e perfil do consumidor são cada vez mais evidenciados através das redes, assim como sua opinião.
    Na era pós-digital, marcas que aplicam nanopublicidade com o target correto aproveitando esse desdobramento dificilmente erram.

  • Hoje tive acesso pela primeira vez a este site. Gostei da ideia de vocês e estou gostando dos artigos que pude ler até o momento. Sou aluno de graduação em administração e, como proposta da disciplina de comunicação, temos que criar e administrar um blog, o qual nossa tematica é comunicação e marketing. Estou colocando o site de vocês como um referêncial.
    Parabens e realmente concordo quando coloca a importancia de se ter um canal direto com o consumidor no ambiente virtual.