O doce de brigadeiro mais fantástico e delicioso que eu já comi na minha vida é feito por uma amiga que está desempregada há mais de um ano. O brigadeiro da minha amiga é uma loucura. Todo mundo que já provou insiste em dizer que ela poderia ficar milionária vendendo brigadeiro.

Sabe aquele brigadeiro que a gente faz na panela e passa horas comendo de colherada? A minha amiga faz um brigadeiro melhor do que o melhor brigadeiro que você já comeu. Melhor do que o brigadeiro da sua mãe, da sua avó, da sua namorada, da sua vizinha.

Quando rola uma festinha entre amigos, o sanduíche de metro vem do Pão de Açúcar, o bolo da Doce Mania, os salgadinhos da Tia Sinhá, e o brigadeiro, ah, o brigadeiro vem da minha amiga que acaba sendo seduzida pelos pedidos insistentes da turma.

Eu já falei para ela uma dezena de vezes, “Você precisa vender esse brigadeiro. É uma delícia. Vai vender milhões. Faz uma amostra grátis, imprime uma lista de preços, vai de porta em porta oferecendo o brigadeiro. Você vai faturar na hora. Levanta um blog, escreve sobre a história do brigadeiro, escreve sobre o poder de sedução do doce, você vai virar rapidamente a guru do brigadeiro na internet brasileira. Depois você poderia vender o brigadeiro em diferentes formatos, tamanhos, embalagens etc.”, e mais, “Todos os brigadeiros que existem por aí são horríveis. Ninguém sabe fazer brigadeiro. Você tem tudo para matar a pau”, e ela responde, “E eu quero passar a minha vida inteira fazendo brigadeiro? Você sabe o quanto cansa ficar no fogão fazendo brigadeiro, e depois ficar enrolando um-a-um? As minhas costas não aguentam. Eu é que não quero fazer brigadeiro para o resto da vida”.

“Mas quem disse que você precisa fazer brigadeiro o resto da sua vida? É apenas um começo. Uma coisa leva a outra. Vá atrás dos primeiros pedidos, trabalhe duro, faça a segunda venda, contrate uma cozinheira, ensina ela a fazer o brigadeiro e bola prá frente”.

“Ah não”, responde ela, “eu prefiro continuar enviando o meu currículo para as empresas”.

“Poxa, você prefere trabalhar como assistente de produto na Amor aos Pedaços ou na Nestlé do que construir a sua própria empresa com o talento que você tem?”

“Eu prefiro. Seria o máximo ser gerente de produtos do Sonho de Valsa, ou gerenciar as franquias do Amor aos Pedaços! É muito melhor do que ficar com a barriga no fogão dentro de casa fazendo brigadeiro para fora. O que tem de bacana em fazer isso? O que as minhas amigas iriam pensar de mim? Eu não quero virar a tiazinha dos doces!”.

Eu lembrei da minha amiga dois dias atrás quando dei de cara com a mais nova loja do Shopping Market Place em São Paulo: a Brigaderia – uma loja 200% focada em vender brigadeiros de luxo para os endinheirados da cidade.

Quem comanda a Brigaderia são as amigas Fernanda Zajd e Taciana Kalili, que há tempos cultivam o hábito de se reunir para fazer brigadeiro. Da mesma maneira que acontecia com a minha amiga, as duas sempre terminavam na cozinha quando rolava alguma reunião entre amigos.

No web site da Brigadeira você tem a foto das duas fundadoras. Elas são bonitinhas. Em nada lembram a Tia Anástica ou Dona Benta do Sítio do Pica Pau Amarelo. A Fernanda e a Taciana são duas mulheres bonitas que poderiam facilmente conseguir qualquer emprego assalariado com crachá pendurado no pescoço em alguma multinacional por aí, entretanto, elas optaram por transformar algo que sabem fazer bem feito em um negócio.

A vida é assim mesmo. Se você dormir com as idéias na cabeça é capaz de acordar no dia seguinte com o barulho de alguém colocando as suas idéias em prática.

Hoje em dia as pessoas são levadas a acreditar que é muito difícil começar uma empresa. Isso é culpa da quantidade de informações sobre empreendedorismo que a internet joga nas nossas cabeças. Se você for seguir a risca tudo que falam, você não começa nada.

Você provavelmente não tem as 55 qualidades do empreendedor moderno segundo o último estudo feito pelo Sebrae, você provavelmente não tem o QI de Empreendedorismo necessário segundo a Associação dos Profissionais de Recursos Humanos. Você provavelmente não entende o suficiente sobre fluxo de caixa para abrir uma empresa. Você provavelmente não sabe escrever um plano de negócios e muito menos gerenciar pessoas.

E daí? Nada disso faz falta quando o assunto é empreender. Esse papo furado vem intimidando muita gente, e transformando a centelha empreendedora das pessoas em crachá de grande empresa.

O fato é que o plano de negócios que a minha amiga precisa colocar em prática resume-se a fazer o brigadeiro; imprimir a tabela de preço e ir de porta em porta em todas as casas do seu condomínio. Esse é o plano de negócios que ela precisa. Pau na máquina! Depois que os negócios atingirem um primeiro patamar estável, falamos sobre a próxima fase.

Por conta dessa mania de começar perfeito, a grande maioria dos empreendedores estão começando seus negócios como se fossem grandes empresas estabelecidadas há décadas. As pequenas empresas de hoje nascem como se fossem grandes multinacionais. É muito comum você encontrar uma pequena empresa cheia de categorias de produtos , cheia de planos de negócios para atingir os mais variados mercados, cheias de recursos, departamentos e processos antes só disponíveis nas big corporations.

As pequenas empresas estão nascendo grandes! Ao invés de começar com apenas um produto e evoluir, os caras nascem com dezenas de produtos, e depois vão cortando – se houver tempo antes de quebrar – até ficar com o que interessa.

Você conhece alguma pequena empresa que parece grande empresa? Eu conheço dezenas. Não existe curva de crescimento no mix de produtos em uma pequena empresa. Os caras desde sempre falam que vendem de tudo, e teimam em vender de tudo, e por conta disso não conseguem vender nada de nada.

Hoje na hora do almoço em meio aquele calor do inferno, eu praticamente me escondi dentro da geladeira da Kibon. Enquanto detonava uma série de picolés de limão, eu fiquei pensando na evolução da empresa. Em 1942 os caras começaram com o Eskibon e o Chicabon; quase quarenta anos depois veio o lançamento do Cornetto com aquele inesquecível comercial de televisão em plena Veneza. Vinte anos depois, quando percebeu que o Cornetto já não era tão premium assim, a Kibon resolveu lançar a linha de sorvetes Magnum para superar o próprio Cornetto lançado anos atrás.

Quando a Kibon começou, os caras não diziam que tinham sorvetes de todos os tamanhos, cores e preços para todos os tipos de consumidores. Os caras tinham o que podiam ter, e vendiam com entusiasmo aquilo que sabiam fazer. Não era o melhor, não era o mais barato, não era o mais bonito, mas era honesto e verdadeiro.

Os ortodoxos vão dizer que estou errado, você precisa ser bom prá caramba para competir com os líderes.

Mas é exatamente esse o problema.

Você acabou de entrar no campeonato. Essa é a sua primeira corrida. Você está largando na 26a posição. Você não precisar ser melhor que os carros que estão largando na primeira fila. Você não precisa correr mais que o Hamilton ou Schumacher. Você precisa ser melhor que o carro que está na 25a posição, depois melhor que o carro que está na 24a, depois 23a, e assim por diante.

Deixe a sua concorrência botar banca de galã, torrar dinheiro com escritórios bacanas e práticas de grandes empresas, assuma que você é pequeno, não entende nada de gestão de pessoas, não entende nada de plano de negócios, mas mesmo assim vai abrir a sua empresa e aprender na marra o que tem que aprender.

NADA MENOS QUE ISSO INTERESSA!

QUEBRA TUDO! Foi para isso que eu vim! E Você?

  • SENSACIONAL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Não mais do qie isso resume esse seu ÓTIMO artigo! Em especial o terço final! Parabéns mesmo Magalhães!

  • Cara, fantástico! Muitos começaram do zero, sem ter noção sobre essas coisas todas, claro com o tempo foram aprendendo. Que ver um exemplo, Silvio Santos!