Lembro-me da primeira empresa que tive aos 20 anos, uma software house que desenvolvia sistemas para pequenas confecções.

Nasceu do sonho de um jovem estudante de informática, enriquecer fazendo algo que gostava, sem os dramas das complicadas carreiras nas empresas.

Na primeira crise de pagamento do meu maior cliente os problemas começaram e se arrastaram por quase um ano. Isto e outros fatores de planejamento e plano de negócios fizeram com que a empresa não durasse mais do que 18 meses.

Exausto, sem capital, com uma grande idéia, mas sem fundos, vendi tudo o que tinha, desfiz a sociedade e parti para arrumar um bom emprego.

Infelizmente não tinha ninguém para me orientar neste momento !

23 anos depois, após uma brilhante carreira em multinacionais, bem resolvido financeiramente, com mais maturidade e conhecimento me lancei novamente ao empreendedorismo, mas agora num projeto ligado ao desenvolvimento de pessoas nas organizações. O vírus que ficou encubado por anos agora voltava mais forte do que nunca, mas desta vez a motivação ficou por conta de um extenso processo de mudança, de quebra de paradigma em minha vida.

E as dificuldades… Existem e continuam em vários aspectos semelhantes às de 23 anos atrás.

Quando deixamos uma grande organização, sem perceber deixamos também uma serie de armaduras que eram utilizadas por nós e vistas por nossos clientes. Deixamos de ser o Diretor Senhor da empresa X, para sermos o Zé Mané da nossa empresa.

Acreditamos que vamos vender nosso produto para nossa rede de relacionamentos, para os antigos colegas, para as organizações que conhecemos e sem querer, descobrimos a duras penas que o Sr. Zé precisa recomeçar do zero.

No meu caso, todos os negócios que realizei este ano foram com pessoas novas, contatos novos, empresas para as quais eu não tinha nenhuma relação. Tudo foi conseguido do novo e do inusitado.

Devemos estar preparados para esta grande mudança de paradigma.

Quando nos lançamos numa empreitada como esta, após anos de trabalho assalariado, as mudanças são enormes e sensacionais, mas toda mudança incomoda o ser humano. Portanto, o acompanhamento de um profissional ou instituição competente para discussão deste processo é extremamente oportuna neste momento.

Aos que já começam como empreendedores, os desafios são outros, mais ligados a maturidade, conhecimento de mercado e vários outros fatores, que também merecem um foro de discussão com um profissional ou entidade esclarecida no assunto.

Vários aspectos da nossa postura, comportamento, conhecimento aplicado ao dia a dia devem ser ajustados para esta realidade, de forma que as frustrações inerentes a qualquer novo processo sejam menores do que o processo de motivação que leva a nós empreendedores a praticar o verbo EMPREENDER!

A viagem de novas descobertas é fantástica, e realmente quando olhamos para trás, apesar das dificuldades, nos vemos muito mais fortes e preparados para quaisquer desafios que a vida venha a nos impor.

Portanto preparem seus espíritos, tracem um plano de autoconhecimento das suas maiores fraquezas e virtudes, e acima de tudo, acreditem em seu sonho.

Ah! Claro que não devem se esquecer de um bom plano de negócios.

Mas o principal é que para mim, o verbo empreender continua significando a mesma coisa que o verbo sonhar!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorA Ascenção das Novas Mídias
Próximo artigoO Incomodismo é o Seu Melhor Amigo
Marco Land
Marco Land é diretor de Novos Negócios da Dextera Consultoria, sendo responsável pela Operação Changefirst na América Latina, Planejamento Estratégico e novos negócios. Também é instrutor da metodologia PCI (People-Centred Implementation) da Changefirst. É graduado em Ciência da Computação pela Unib (Universidade Ibirapuera), cursou MBA em Gestão Estratégica pela FGV e em Administração de Empresas pela FAAP. Land acumula mais de 25 anos de experiência em grandes organizações, tendo ocupado cargos de sócio diretor, VP e diretoria executiva. Participou de projetos complexos e multidisciplinares de implantações de sistemas ERP na Ásia, Europa, América Latina e Estados Unidos e possui amplo conhecimento das estratégias e direcionamento do mercado de TI. Tem formação nas teorias DISC e de Valores para avaliação de pessoas, Business Coaching e Alpha Coach Assessment pela Sociedade Brasileira de Coaching (com reconhecimento do Behavioral Coaching Institute – USA). Também é terapeuta transpessoal formado na DEP – Escola da Dinâmica da Energética do Psiquismo.
  • Parabéns pelo Artigo Marco!

    É ai que vemos que empreendedorismo é um estilo de vida. Empreendedor é empreendedor sempre.

    Segue um artigo que, acredito eu, possa colaborar: http://www.empreende.net/index.php/2009/09/21/empresario-e-empreendedor-qual-a-diferenca/

    Parabéns pel blog também. Abraços.

  • A equipe do super empreendedores sem sombra de dúvidas vem se destacando no quisito motivação, venho acompanhando o Blog há algum tempo e com certeza tem sido de grande valia para meu desenvolvimento.
    Sou um empreendedor e não tenho medo de arriscar, a busca constante por conhecimento me faz acreditar cada vez mais no poder do e-commmerce e na realização dos meus sonhos, mais nada disso seria possível se não fosse um coisa fundamental, a ATITUDE, sem ela nem adianta tentar, cruzar os braços e deixar o negócio acontecer não é um atitude de empreendedor.
    O sucesso só virá com atitude! Os problemas surgem, mais o empreendedor não se abala…luta, supera e vence.
    Carlos Alberto Viannna

    Diretor Comercial – Ousada Sex Shop
    http://www.ousadasexshop.com.br
    http://ousadasexshop.blogspot.com

  • Pingback: Por Rafael Teodoro Holz « Empreendedor Capixaba()

  • Lorizete

    Muito bom esse artigo, também acredito que empreender e sonhar andam juntos. Temos que agarrar as oportunidades que estão ai!!!…Parabéns pelo seu artigo!

  • Oi Lorizete,

    Obrigado pelo comentário. Realmente, empreender é muito mais do que sonhar, é a realização do sonho, a busca pelo ideal de vida e da felicidade.

    Abraços,

  • Olá, fantástico seu texto, e a mais pura realidade!
    Algumas pessoas não vêem com bons olhos os “empreendedores” outras os chamam até de loucos. Para a maior parte da população, salário e carteira assinada é o que vale, este negócio de se aventurar em abrir seu próprio negócio e e se tornar um empreendedor é loucura!
    Porém são estes “loucos” que na maioria das vezes vence na vida, que consegue realizar seus sonhos. Existe sim aqueles que as vezes não se tornam vitoriosos, mas tenho certeza de que só pela tentativa de tornar seus sonhos realidade já valeu a pena.
    Porque Viver é isto: É não ter medo de arriscar, Ousar e se atrever um pouco mais.
    Um forte abraço e Sucesso a todos.
    Regina Granez