Microgestão ou micromanagement. Mesmo se você ainda não conhece o termo, talvez possa ter passado por isso na sua empresa ou talvez tenha esse hábito como gerente de uma empresa.

Mas o que é, realmente? Por definição, microgestão é um estilo de gestão em que o gerente controla de perto e detalhadamente todas as tarefas dos seus funcionários, por isso tem geralmente uma conotação negativa. É uma forma de gestão que alguns empreendedores realizam para garantir que tudo seja feito de forma precisa pelos seus funcionários, e se não for feito, ele mesmo tomará conta e resolverá.

Microgestão é um estilo de gestão em que o gerente controla de perto todas as tarefas dos seus funcionários.

O problema é que nem sempre isso é o mais produtivo a ser feito, nem para quem é microgerenciado e muito menos para quem microgerencia. E esse é apenas um dos problemas com a microgestão. Vamos dar uma olhada em alguns dos outros “perigos” que vêm junto com esse estilo de gestão e por que você deve evitá-lo.

1. O Excesso de Controle na Microgestão

Quando você utiliza microgestão na sua equipe, ao invés de conquistar o controle desejado, acaba geralmente perdendo-o. Dependendo do tamanho da sua equipe, grande ou pequena, as tarefas dentro de uma empresa muitas vezes ultrapassarão a capacidade de tomar conta de tudo sozinho. É humanamente impossível.

Aprenda a delegar para não fazer uma microgestão da sua equipe. Delegar é importante e é um processo a ser aprendido pela maioria dos empreendedores. Ao invés de fazer tudo por conta própria, encontre sócios e funcionários que possuem características e forças de trabalho adicionais as suas.

Leve em conta que quando você limita drasticamente o seu estilo de gestão, acaba também limitando a capacidade de se comunicar e gerir a sua equipe.

2. A Perda de Confiança

É necessário ficar atento para não construir uma parede entre você e sua equipe, em que os funcionários enxergam que a única coisa que o gerente quer é o trabalho feito e do jeito dele.

Além disso, se o gerente sempre toma controle da situação e das tarefas, o sinal que pode passar é que o trabalho do funcionário não é satisfatório o suficiente. Isso pode gerar uma grave perda de produtividade e confiança do funcionário.

Quando a equipe é microgerenciada, ela começará a depender de vocês ao invés de ter confiança para executar tarefas por conta própria. Microgerenciamente faz a equipe sentir como se eles não fossem capazes de executar tarefas sem uma orientação constante do gerente.

Lembre-se: os funcionários foram inicialmente contratados porque trouxeram suas habilidades, talentos e insights para a empresa. Quando os funcionários são independentes de você, eles irão continuar a pensar por conta própria – e quando eles têm a liberdade de pensar por conta própria, grandes coisas podem acontecer. Se a equipe fizer apenas o que o gerente manda, é possível que as habilidades, talentos e conhecimentos dos funcionários caiam em esquecimento. Permita que seus funcionários tenham a liberdade de pensar e agir por conta própria, de acordo com as tarefas que foram delegadas.

Escrevemos um artigo em que falamos sobre uma nova forma de gestão, confira aqui.

3. O Esgotamento Pessoal

Aqui está um grande motivo de que microgestão é algo que você nunca deve praticar. É extremamente cansativo. Tomar conta de tantas tarefas e pessoas diariamente pode ser nada mais que estressante.

Microgerenciamento não é ruim apenas para os seus funcionários. Pode tornar-se terrível para a saúde física e mental do gerente ou chefe, influenciando tanto a vida pessoal quanto profissional. Tire um tempo para relaxar, respirar e perceber que sua equipe pode lidar com as tarefas sem você estar constantemente pairando sobre os ombros de todos.

4. A Falta de Autonomia

Quando tudo é microgerenciado, os funcionários tendem a sentir como se estivessem perdendo autonomia. Quando isso acontece, eles vão lentamente perdendo o desejo de fazer qualquer coisa, algumas vezes por angústia de decepcionar e não ser de acordo com as expectativas do gerente. Ninguém pisará fora da caixa para realizar uma tarefa.

Um certo nível de autonomia é importante, para os funcionários aprenderem, crescerem e terem orgulho do trabalho que fazem. Não deixe o microgerenciamento esmagar o crescimento da empresa.

Ter a certeza que seus funcionários estão sendo responsáveis e cumprindo suas tarefas sem microgerenciar pode ser difícil em algumas situações, mas para as tarefas diárias não é impossível. É importante criar maneiras de estar sempre informado sobre o andamento das atividades. Isso pode ser feito com softwares de trabalho em time ou reuniões quinzenais, por exemplo.

Conclusão

Tudo isso não significa que um gerente não pode ou não deve se envolver nas atividades do funcionário. Isso não é real. O caso discutido é apenas quando há um controle excessivo em tarefas diárias que não precisam diretamente do envolvimento gerencial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here