O modelo de atribuição propõe um novo cálculo para detectar o caminho percorrido pelo consumidor até o momento da venda, do primeiro anúncio até o clique no botão de compra e busca responder algumas perguntas estratégicas.

  • Qual o caminho percorrido por um consumidor que adquire um produto pela internet?
  • Quais fatores influenciaram sua decisão e interferem para o clique final no botão de compra?
  • Será que ele já tinha visto o produto em um display?
  • Ou assistido um vídeo informativo?
  • Ou recebido uma newsletter com ofertas?

As transações na internet passam por um longo caminho até sua concretização, e essa jornada tem mudado muito nos últimos anos.

Porém, especialmente após o surgimento dos links patrocinados, observamos uma ênfase excessiva no modelo de last click na hora de planejar os investimentos em mídia e estabelecer o crédito pelos resultados. Nesse caso, leva-se em consideração somente a última página em que o consumidor clicou para realizar a compra.

A entrega sobre demanda reprimida, baseada nas necessidades do usuário, quase sempre, leva todo o crédito pela compra, ignorando todas as etapas e variáveis que compõem esse longo processo.

No entanto, existem outros fatores que levam uma pessoa a optar por um produto de uma determinada marca em um determinado momento. Antes de ser efetivamente adquirido, é preciso que o produto esteja bem posicionado na mente dos consumidores, e é isso que as marcas precisam perseguir. Em vez de focar na performance, é preciso entender por que aquele consumidor estava lá.

Leia Também:  Como Planejar As Estratégias de Aquisição de Clientes em Uma Loja Virtual

O Modelo de Atribuição. Uma Nova Maneira de Calcular a Jornada do Consumidor

Entra em cena o modelo de atribuição, que propõe uma nova maneira de calcular a jornada do consumidor, abrangendo desde o primeiro anúncio até o clique no botão de compra, para entender como cada uma dessas etapas contribuiu para a conversão.

Antes de ser efetivamente adquirido, é preciso que o produto esteja bem posicionado na mente dos consumidores, e é isso que as marcas precisam perseguir.

Ao comprar um tênis de corrida, por exemplo, será que o consumidor quer um produto da Adidas, da Mizuno ou da Asics, ou busca simplesmente o artigo mais barato? Existe todo um trabalho de branding que precisa ser feito, para que a marca esteja sempre no “top of mind” dos consumidores. Portanto, o branding jamais pode ficar de fora do planejamento orçamentário de uma campanha digital, pois é o que permite compreender em profundidade a opção por uma marca específica.

Uma pesquisa recente apresentada pelo eMarketer durante o evento Programmatic I/O, que ocorreu em Nova York, mostrou que as marcas estão perdendo o momento da compra em quase 30% baseado no índice de preferência.

Ou seja, as pessoas não estão mais comprando marcas, como resposta a este movimento gerado pelo foco em performance dos últimos 10 anos, que concentrou os investimentos em um único pilar. Marcas e anunciantes precisam caminhar na direção contrária e prestar mais atenção aos outros pilares que compõem este processo.

Leia Também:  Como Posicionar Sua Marca No Mercado De Forma Eficiente

Quando observamos a jornada do consumidor e construímos um modelo de atribuição, conseguimos identificar quais fatores nortearam sua decisão. Esta pode ser determinada pela mensagem de e-mail enviada poucos minutos antes da compra, ou pelo vídeo que possibilitou um novo encontro com a marca. Identificando todos os canais, é possível saber quais foram determinantes e quais desempenharam um papel secundário.

Em vez de focar na performance, é preciso entender por que aquele consumidor estava lá.

O Mapeamento dos Canais de Compra com Base em Análises Preditivas e Modelos de Atribuição

O mapeamento dos canais, deixa de ter um papel secundário quando atrelamos a coleta de dados do usuário com base em comportamento. Assim, podemos identificar o sentimento ou comportamento desse internauta em cada etapa da jornada, e conseguimos entender o interesse desse consumidor ou o sentimento que ele tem nos momentos em que dispara a decisão pela compra, bem como os fatores que influenciam o consumo de um determinado produto. Assim, com essas informações e a jornada de device, temos uma ferramenta para realizar analises preditivas e modelos de atribuição diferenciados, além de insights sobre oportunidades de produtos e mercado.

Leia Também:  O Que Você Precisa Saber Sobre Marketing de Influência

É com esse minsdet que estruturamos o nosso modelo de negócios. Pensamos que o modelo de atribuição não pode ser focado apenas no last click, mas sim abranger desde o topo do awareness, conhecendo todos os momentos em que ocorre impacto ao consumidor, para entender o melhor momento, o melhor target e a melhor forma de falar com ele, para que, finalmente, tome a decisão de consumir o produto do meu cliente.

Sobre a FitMedia

Fundada em 2013, a FitMedia é uma das líderes de mercado em campanhas “independentes”de tecnologia mídia online programática premium, operando como Trading Desk ou DSP para agências e anunciantes. Tem como meta melhorar os processos e democratizar a compra de mídia programática com qualidade, transparência e resultado.

Conquistou clientes como Catarina Outlet, Peugeot, Catho, Tiffany, Soudigi+, Firmeza, Cartago, Coral, entre outros, oferecendo mais qualidade e construindo uma base dados a partir da mídia, onde transformou o 2nd party data em 1st party data, criando um processo próprio de Data-Driven Programmatic Media Buyng e de informações para elaboração de estratégias de mercado. Para saber mais: http://fitmedia.com.br/

*Bruno Pompeu é CMO/CFO da FitMedia, fundada em 2013. É uma das líderes de mercado em campanhas de mídia online programática, operando como Trading Desk ou DSP para agências e anunciantes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here