Outro dia estava esperando meu carro num estacionamento enquanto ouvia a conversa entre dois manobristas. Não era sobre o resultado do último jogo de futebol, nem sobre o noticiário policial.

Um dizia para o outro: “- amanhã vou na Claro comprar o modem de Internet…”

Naquele momento passei a refletir sobre as implicações dessa frase. Sobre os mitos sócio-econômicos que povoam a vida digital. Sobre o futuro dos espaços virtuais.

A banda larga chegou às classes econômicas mais baixas. Daqui a pouco não estarão mais limitados aos espaços das lan-houses. Não só chegou a banda larga, como chegou junto a mobilidade (Não deixe de ler depois o artigo do Volney sobre a Web 2.0).

Hoje mesmo os jornais falavam da perda de audiência das TV´s para as mídias digitais, que programas, como o Fantástico, que funcionavam como uma revista de variedades, ficaram sem sentido já que cada um pode escolher a variedade que quiser, no momento que quiser.

O que me chamou mais a atenção, no entanto, foi o fato de que a auto proclamada elite digital, aquela que muda de uma ferramenta para a outra só para dizer que está adiante dos outros, vai rapidamente ficar sem diferencial, o que vai impactar fortemente a auto estima de muitos.

Num mundo paradoxal em que todos querem valorizar suas individualidades e, ao mesmo tempo, pertencer a algum grupo, essa elite costuma desprezar o resto da população que ainda não recebeu o convite para a mais recente rede social. Gente que sua importância se baseiam no ter e não no ser (ou pelo fazer que, muitas vezes, não deixa de ser uma forma de posse).

Para onde vão fugir quando os manobristas com banda larga estiverem navegando no Google Wave?

Nesse momento vão descobrir como é difícil se distinguir da massa pelo que são, até porque não tem esse talento todo. Vão perceber que não detém mais o poder da exclusividade sobre a informação. Elite e povão circularão nos mesmos espaços.

Essa realidade também vai transtornar a vida dos marketeiros, acostumados a falar só com a Classe AB de 25 a 45 anos, como vão saber se o sujeito que se cadastrou no seu hot site é o playboy do shopping chique ou o manobrista, do mesmo shopping? Como vão conseguir se comunicar de forma diferenciada se não é mais o canal que distingue as pessoas?

As perguntas podem se multiplicar e, para o desespero de muitos, não existirão respostas prontas. É o fim das receitas de bolo.

Ao invés de ler livros de fórmulas, os marketeiros precisarão conhecer seres humanos, isso implica em estudar antropologia, sociologia, psicologia e todas essas matérias que só quem gosta de gente se dispõe a ler.

Miranda, personagem de Shakespeare na peça a Tempestade, dizia

“O wonder!
How many goodly creatures are there here!
How beautious mankind is!
O brave new world,
That has such people in’t!”

Que venha o admirável mundo novo de Shakespeare (e não o de Huxley que batizou seu livro a partir do texto do bardo), e que as pessoas voltem a valer pelo que são.

  • Muito bom o texto! Mas uma frase que me chamou a atenção foi: “Num mundo paradoxal em que todos querem valorizar suas individualidades e, ao mesmo tempo, pertencer a algum grupo…”
    Essa frase é de se pensar para a vida.

  • Obrigado Marcos.

    Essa frase foi sábia. O Fábio Adiron é um cronista do Marketing. Seus textos são sempre permeados de citações e pensamentos. O leitor mais atento vai descobrir muitas lições importantes.

    Abraços,

  • Pingback: O melhor da semana em 10 links (13 de fevereiro) | Alejandro Suárez blog profissional()

  • muito bacana o artigo

  • Este texto realmente vem nos abrir os olhos. Enquanto pessoas lotam os shoppings em busca do novo MP…(qual o último nº mesmo? Parei no MP15), ou melhor, o novo medelo de iPOD, a grande questão que paira sobre a mente dos marketeiros é: O CONSUMIDOR ESTÁ MAIS EVOLUÍDO POR CAUSA DO AVANÇO DA TECNOLOGIA; OU A TECNOLOGIA AVANÇA POR CAUSA DA NECESSIDADE DE MUDANÇA DE HÁBITO DOS CONSUMIDORES???

  • Tom

    Excelente post, tem um livro chamado Admirável marketing novo.
    É muito bom, e esta um pouco relacionado com o que vocês escreveram aqui.

    Abraço.

  • Oligarcas russos, “capitalistas” chineses, diversidade cultural indiana…
    E fica o grande desafio de como atingir todo mundo em um mercado de nichos de forma eficiente!!!