Para você ser um empreendedor bem sucedido você precisa de: comprometimento, criatividade, valores, habilidades específicas, conhecimento do negócio, princípios, atitudes positivas, reconhecimento de oportunidade, auto confiança, sabedoria, coragem para enfrentar desafios, perseverança e determinação, habilidades de relacionamento inter-pessoal, boa comunicabilidade, liderança, facilidade de trabalhar em equipe, auto-motivação, capacidade de tomar decisões rapidamente, pensamento crítico, visão estratégica, foco em resultados, planejamento, fome de aprender, familiaridade com o mundo dos negócios, ótima rede de contatos, flexibilidade à mudança e ambientes dinâmicos, capacidade de resolução de problemas e conflitos, visão sistêmica e holística, e ainda tem mais…

Você precisa também de ousadia, receptividade a riscos, tolerância a erros e falhas, familiaridade com tecnologia, capacidade de realização, habilidades de negociação, integridade, honestidade, fortes princípios éticos, eloquência, facilidade para absorção de novos conceitos, alta percepção do ambiente, retórica, agilidade e dinamismo, forte personalidade, firmeza de caráter, enérgico, desenvolvedor de talentos, grande experiência, empatia, persuasão, organização, rapidez de raciocínio, auto-controle, sonhador realista, agressividade, independência, pragmatismo, entusiasmo, pró-atividade, iniciativa, forte presença pessoal, arrojo, faro para negócios, onipotente, ajudar velhinhas a atravessar a rua…

Ufa! E aí? Já desistiu de ser empreendedor? Pois é, a lista não termina. Se você fizer uma busca na internet sobre competências empreendedoras, você verá uma interminável lista de artigos sobre características que inquestionavelmente são obrigatórias em qualquer empreendedor e cada artigo traz uma lista diferente de virtudes, desanimando qualquer pessoa que vai empreender por não se julgar apta a desenvolver todas estas qualidades e concluindo que o empreendedor é um verdadeiro super-herói.

Vamos encerrar esta discussão: Todo mundo é empreendedor… e ninguém é! Confuso? Pois é.

Todo mundo é empreendedor no sentido em que todos possuem algumas características (natas ou adquiridas) para empreender. Ninguém é porque o empreendedor-herói não existe, ninguém consegue deter sozinho todas estas qualidades. Está bem, esta resposta não é suficiente, parece sair pela tangente, não é?

Que tal essa: Quem precisa deter estas competências todas é o negócio e não o empreendedor.

Assim, se você não se julga empreendedor porque não sabe vender, contrate alguém que saiba! Se você não é bom com planilhas financeiras, contrate um administrador. Se você não tem pleno domínio técnico sobre o produto, traga alguém que tenha. No fundo, empreendedorismo é sempre coletivo.

Um negócio bem-sucedido está nas mãos de uma boa equipe e não de um grande empreendedor.

Perfil Empreendedor

Os empreendedores precisam aprender a separar o negócio do indivíduo e quando falamos de perfil, falamos do empreendedor e não do negócio.

Para ajudar a pensar, vamos pensar da seguinte forma: O que é que ninguém pode fazer por você?

Um negócio bem-sucedido está nas mãos de uma boa equipe e não de um grande empreendedor. Click To Tweet

Perfil empreendedor está mais relacionado com o SER do que com o FAZER

Perfil Empreendedor

Agora volte para a lista acima e repasse com esta pergunta: Quais itens daquela lista não podem ser delegados, estão relacionados com quem o empreendedor é e não com o que ele faz? Eis algumas sugestões:

1) Determinação: Barreiras e dificuldades vão surgir, sempre. Nem sempre adianta lutar contra elas, e também não tem como delegar, portanto, o empreendedor precisa estar fortalecido pela sua determinação para resistir à tentação de desistir quando as coisas ficam feias.

2) Autonomia: Não confunda com independência. O empreendedor não é independente, pelo contrário, ele depende de muitas pessoas e empresas, mas a decisão é dele. Autonomia é o controle, a capacidade de deter o poder de decidir, de definir por conta própria o caminho que vai seguir.

3) Receptividade ao risco: Não tem como delegar, quanto mais o empreendedor compromete recursos (financeiros ou não) no negócio, maior é o risco que assume. Quanto maior o grau de incerteza do empreendimento, maior o risco. Só que a medida aqui não é quanto maior, melhor, senão ele deixa de ser um empreendedor e se transforma em jogador. O risco é sempre calculado e se torna tolerável na medida em que ele pode agir para minimizá-lo.

4) Autoconfiança: Não há dúvida da importância da autoconfiança, é o que alimenta sua determinação, perseverança e otimismo. É o que torna o futuro claro para ele, mas também não pode ser em excesso. O excesso de autoconfiança leva à soberba, aos julgamentos equivocados, à cegueira.

5) Resiliência: O empreendedor no começo não vai ter todos os recursos que precisa, vai ter que mudar os planos várias vezes, vai ter que se adaptar a circunstâncias que mudam o tempo todo, precisa estar sempre com a mente aberta para aprender sempre. A resiliência é capacidade de evoluir para incorporar (e não só aceitar) uma mudança.

6) Visão: Em diversos aspectos, ter visão é condição fundamental para o empreendedor enxergar a si mesmo e o seu negócio sob perspectiva, seja do ponto de vista do cliente, de outro funcionário ou dos clientes, alimentando um olhar crítico que ajuda a redirecionar a estratégia, quando necessário ou vislumbrar o futuro que este empreendimento vai criar por meio de suas mãos.

O que estas características têm em comum e que são inerentes ao empreendedor, são competências pessoais e não de negócios. O negócio pode estar indo muito bem, mas se o empreendedor não possuir uma ou algumas destas características, pode pôr tudo a perder ou, no mínimo, estagnar o crescimento da empresa. Todas as demais características são dispensáveis para o empreendedor. Ele não tem ideias? Alguém vai trazer as ideias para ele desenvolver. Ele não tem bons contatos? Alguém pode conhecer as pessoas que ele vai precisar trazer para o negócio. Ele não tem empatia? Um sócio pode exercer influência sobre as pessoas, principalmente funcionários.

Perfil empreendedor está mais relacionado com o SER do que com o FAZER. Click To Tweet

Por isso, se você vai empreender, procure iniciar um processo de autoconhecimento. Você precisa saber no que você é bom e o que você não sabe (ou não gosta) de fazer. A partir daí, o seu negócio deverá ser muito bom nas suas competências básicas e, de alguma forma, você precisa trazer pessoas para ajuda-lo naquilo que você não domina bem, mas que o negócio vai precisar. Lembre-se, os melhores empreendedores do mundo podem ter as mesmas virtudes e defeitos de você.

Por fim, muitos empreendedores começaram tão despreparados, ingênuos e imaturos quanto você, mas eles aprenderam com o processo, por isso não importa tanto quais são as competências que você detém e sim a sua capacidade de incorporar novas e evoluir enquanto competências empreendedoras tanto quando o seu negócio se desenvolve. O empreendedor verdadeiro está em constante evolução, constantemente aprendendo e crescendo, acabando por se tornar uma pessoa muito diferente de quando começou o negócio e isso pode e vai acontecer com você também.

O empreendedor verdadeiro está em constante evolução. Click To Tweet
COMPARTILHE
Artigo anterior12 Dicas Simples para Melhorar a Sua Qualidade de Vida
Próximo artigoComo Vender em Tempos de Crise
Marcos Hashimoto
Doutor em Administração de Empresas pela EAESP/FGV. Professor titular do Mestrado Profissional em Administração de Empresas da Faccamp. Também é professor nos MBAs da FIA, da Unianhanguera e da Damásio Devry. Montou e coordenou os Centros de Empreendedorismo do Insper, Faap e FGV, onde também foi professor de Empreendedorismo na graduação e na pós. Também lecionou na ESPM e na BSP. Possui ampla experiência executiva em multinacionais como Cargill Agrícola e Citibank. É autor de 4 livros sobre empreendedorismo e negócios. Consultor de inovação corporativa para corporações e educação empreendedora para universidades. Dentre suas paixões estão as artes marciais (Faixa preta de Karatê Shotokan segundo dan) e cinema.