Os pequenos e médios empresários sempre têm muitos desafios na gestão empresarial e os impostos costumam fazer parte dos seus pesadelos. Na hora de ampliar as atividades da empresa é comum se depararem com muitas dúvidas sobre os regimes de tributação.

O Simples Nacional é um regime tributário que tem como objetivo simplificar a gestão de tributos e facilitar a vida do empreendedor.

Porém, apesar do nome, ao longo dos anos diversas modificações aconteceram que deixaram esse regime um pouco mais complexo e, para ter sucesso em seu empreendimento, o empresário precisa conhecê-lo profundamente.

O Que é Simples Nacional?

O Simples Nacional é um regime tributário, que determina formas de arrecadação, cobrança e fiscalização de tributos voltados para micro e pequenas empresas.

No Simples Nacional, o pagamento de até oito impostos diferentes é unificado na Guia DAS (Documento de Arrecadação do Simples).

Os tributos unificados são:

  • PIS (Programa de Integração Social);
  • COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social);
  • IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica);
  • CSLL (Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido);
  • CPP (Contribuição Previdenciária Patronal);
  • ISS (Imposto Sobre Serviços);
  • ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços);
  • IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados).

Além disso, outro grande benefício do regime é também ter alíquotas menores de impostos, progredindo de acordo com o faturamento.

Leia Também:  Como Abrir Uma Empresa MEI: O Passo a Passo Para Formalizar O Seu Negócio

Existem divisões no Simples que facilitam a adoção de benefícios particulares, como:

  • MEI (Microempreendedor Individual) com faturamento até R$ 81 Mil;
  • ME (Micro Empresa) até R$ 360 Mil;
  • EPP (Empresa de Pequeno Porte) até R$ 4,8 Milhões.

Como o Simples Nacional Funciona?

O Simples Nacional é uma opção de enquadramento tributário, da mesma forma que o Lucro Presumido e o Lucro Real. Existem muitas variáreis e para fazer uma escolha consciente devem ser observadas todas as vantagens e desvantagens desse regime.

Leia Também:  O Que é CNAE e Por Que Seu Enquadramento Incorreto Pode Trazer Sérias Consequências À Sua Empresa

Vantagens do Simples Nacional

Vantagens do Simples Nacional

  • Unificação do recolhimento de até 8 tributos na Guia de Impostos;
  • Tributação progressiva, que reduz a carga tributária para negócios em início de atividade e aumenta gradativamente de acordo com o aumento no faturamento da empresa;
  • Redução de custos trabalhistas sobre a folha de pagamentos, incluindo na DAS a contribuição previdenciária patronal;
  • Redução da burocracia, com a diminuição das obrigações acessórias e simplificação na contabilidade;
  • Redução do risco de cálculo errado com a disponibilidade de ferramenta de cálculo dos tributos através do portal da Receita Federal;
  • Benefícios não tributários em licitações e em exportação de produtos.
Leia Também:  Quer Investir em Um Negócio em 2019? Confira Um Guia Para Não Correr Riscos

Desvantagens do Simples Nacional

Desvantagens do Simples Nacional
Imagem: Shutterstock.
  • Tributação através de alíquota sobre a receita bruta e não sobre o lucro, não permitindo a compensação de prejuízos e despesas;
  • Suas vendas oferecem créditos limitados de ICMS e não oferecem créditos de IPI, reduzindo a competitividade tributária em atividades industriais;
  • Falta de incentivo ao crescimento do faturamento, já que a mudança de regime pode aumentar a carga tributária;
  • Possibilidade de aumentar a carga como o Diferencial de Alíquotas, Substituição Tributária, e Tributação Monofásica;
  • Existência de impostos não previstos que precisam ser pagos a parte como Impostos Sobre Importações*, IOF (Imposto Sobre Operações Financeiras), II (Imposto de Importação), IE (Inscrição Estadual) e ITR (Imposto Sobre a Propriedade Territorial Rural).

*Impostos Sobre Importações

Os cinco tributos que incidem sobre as importações são:

  1. II (Imposto de Importação);
  2. IPI (Impostos de Produto Industrializado);
  3. PIS (Programa de Integração Social);
  4. COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social);
  5. ICMS (Imposto sobre Circulação e Mercadorias e Serviços).
Leia Também:  A Urgente e Necessária Simplificação do Comércio Exterior Brasileiro

Quais Empresas Podem Aderir ao Regime do Simples Nacional?

Que Empresas Podem Aderir ao Simples

Para optar pelo regime, existem regras que devem ser observadas e cumpridas. A principal delas é o limite de faturamento de R$ 4,8 Milhões.

Além do faturamento, existem outras condições para o enquadramento que são:

  • A empresa não pode ter outra empresa como sócia;
  • A empresa não pode participar do capital de outra empresa;
  • Não pode ser filial, sucursal e outras de empresas estrangeiras;
  • Os sócios que possuam outras empresas devem considerar o faturamento global para o limite de R$ 4,8 Milhões;
  • O sócio deve ser residente no país;
  • Não podem ser organizadas como cooperativa;
  • Não podem possuir débitos com as esferas Federal, Estadual ou Municipal;
  • Devem ter todas as inscrições ativas.

Além destas regras, algumas atividades não podem ser enquadradas no Simples Nacional.

Leia Também:  Quais as Vantagens e Desvantagens de se Abrir uma Empresa Limitada

O custo varia de acordo com as atividades da empresa e o faturamento apresentado. Seguem as tabelas específicas divulgadas pela Receita Federal.

  • Tabela I – Empresas de Comércio: variação entre 4% e 19%;
  • Tabela II – Fábricas/Indústrias e empresas industriais: variação entre 4,5% e 30%;
  • Tabela III – Empresas de prestação de serviço de instalação, reparos e manutenção: variação entre 6% e 33%;
  • Tabela IV – Empresas de serviços de limpeza, vigilância, obras, construção de imóveis, serviços advocatícios: variação entre 4,5% e 33%;
  • Tabela V – Empresas de serviço de auditoria, jornalismo, tecnologia, publicidade, engenharia, entre outros: variação entre 15,5% e 30,5%.

Como facilitar ainda mais a gestão da empresa?

Com tantas informações importantes o empreendedor precisa ter muita atenção sobre os recursos financeiros, vendas e pagamento dos tributos e a melhor forma de fazer isso é contando com a ajuda de um sistema de gestão empresarial ERP.

Com ele, é possível integrar os principais setores da empresa e unificar informações, compartilhando com os colaboradores responsáveis, evitando o risco de erros e retrabalho.

Além disso, o sistema ERP online facilita a troca de informações com o escritório de contabilidade, com a integração contábil. Assim, é possível acessar facilmente as informações e pode agir com rapidez e aceitabilidade em relação aos tributos devidos.

Agora você já sabe o que é o Simples Nacional e pode decidir se esse é o melhor regime de tributação para a sua empresa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here