Sabemos que é impossível criar uma doutrina de abordagem relevante e equilibrada do tema das Gerações, simplesmente pelo pinçar de textos de autores estrangeiros. Estes bem podem ser especialistas em suas culturas e no entendimento de suas gentes – diferentes grupos etários, diferentes tribos, influências e influenciadores… Mas isso serve para a realidade deles. Daí que pergunto:

E a nossa realidade?

Está aí o verdadeiro nó! O nó falso é a transferência pura e simples de conceitos estrangeiros! Como se não fossemos uma outra cultura, uma outra sociedade. O nosso caldeirão produz uma sopa exclusiva – diferente e singular. Há que respeitar esse caldo.

Para a nossa realidade, devemos utilizar de um ferramental sociólogico (que até pode ser semelhante ao dos estudiosos estrangeiros), mas que deve ser aplicado e analisado de acordo com nossa realidade, nossos dados, nossa população, nossas características!

O nó falso é o nó das letras, o nó dos termos americanos (em Inglês ou americanizado). Não tivemos uma explosão demográfica nos anos 1940 do pós guerra, nem nos anos 1950. A nossa pirâmide de faixa etária manteve-se numa ampliação da base até o fechamento do milênio. Agora, somente em 2010, com os resultados trazidos pelo Censo do IBGE é que finalmente podemos visualizar um fechamento na base dessa pirâmide, transformando-a mais para balão chinês. A transformação gráfica seria de algo assim: /\ – no final dos anos 1990 para 2000, para algo assim: ( ) já agora em 2010.

Desatar esse falso nó que se enraiza em diferentes setores, e é semeado diariamente – pode levar tempo. Mas certamente um dia ele vai ceder. Conto com os brasileiros de boa fé para que juntos, atuemos na desmistificação de uma mentira que não serve para a realidade brasileira.

SmartBusinessPlan