Muitos dos meus seguidores sabem do meu próximo livro ’30 filmes para empreender’, em andamento, e contribuem com muitas indicações de filmes úteis para empreendedores. Várias delas eu aproveito, mas nem todas. Algumas sugestões são recorrentes e eu parei para pensar se estou mesmo certo em recusar estas sugestões.

Dei uma pesquisada na internet e vi que vários sites e revistas sugerem estes mesmos filmes, então resolvi publicar este post com uma lista dos 5 filmes mais mencionados que não vão entrar no meu livro e vou explicar o porquê:

1. O Lobo de Wall Street

Lobo de Wall Street

Assim como seu similar ‘Wall Street, Poder e Cobiça‘ não entram no livro porque podem passar uma ideia equivocada para o empreendedor. Empreendedores e investidores são dois personagens muito diferentes nos negócios, complementares, mas diferentes. O empreendedor investe no seu negócio, é claro, mas não especula. Ele constrói o negócio para si, para um fim maior, para um propósito que não é ganhar dinheiro. O investidor, como o próprio personagem de Di Caprio no filme mencionou, não cria nada, apenas explora o que os outros criam. Se você está investindo em um negócio novo, mas não está operando, você é um investidor e não um empreendedor. Cuidado com esta diferença, não confunda os papeis.

2. A Procura da Felicidade

A Procura da Felicidade

É um filme comovente, de superação, de sucesso, mas não é de empreendedorismo. É muito fácil confundir estes filmes de apelo emocional, que mostra a vida do sujeito que não tinha nada e alcança o sucesso, como ótimos para quem vai empreender, mas não vamos nos iludir, o personagem de Will Smith, Chris Gardner, de fato construiu um império das finanças, mas a parte da vida dele retratada no filme conta apenas a forma como ele entrou no mercado financeiro.

Se você prestar atenção verá que ele abandonou seu trabalho de vendedor, que mais se aproximaria da carreira empreendedora, por uma vaga de estágio concorridissima em uma corretora de valores imobiliários. Passa a ideia de que é melhor abandonar sua atividade autônoma para ser funcionário. É claro que o filme mostra algumas coisas importantes para o empreendedor, como superação, criatividade, improvisação, determinação, mas a mensagem geral que passa pode ser mal interpretada.

3. Invictus

Invictus

Outro filme inspirador, baseado na vida de Nelson Mandela e sua busca pelo equilíbrio na transição política na África do Sul pós apartheid. Embora tenha mensagens muito significativas como a frase que inspirou Mandela na prisão ‘Sou o senhor do meu destino…’ enfatizando a necessidade de autonomia e protagonismo, é um filme sobre liderança. Ué, você pode estranhar, o empreendedor não precisa ser líder? Sim, é uma característica importante, mas temos que tomar o cuidado de não passar a mensagem errada, pois não ser líder não descaracteriza o empreendedor.

Muitas pessoas não são líderes e mesmo assim são grandes empreendedores. Tenho me esforçado muito para diferenciar os dois perfis para desmistificar a figura de super-herói muito comum nas descrições de empreendedores e tirar este filme da minha lista é uma ação neste sentido, o mesmo vale para o filme Gladiador, com Russell Crowe.

4. De Porta em Porta

De Porta em Porta

Uma das melhores atuações de um ator pouco valorizado por sempre atuar como coadjuvante, William Macy, o filme descreve o desempenho de um homem com paralisia cerebral que consegue se tornar um dos melhores vendedores de porta em porta no Oregon da década de 50 usando o seu carisma e simpatia. Trata-se de outra imagem equivocada do empreendedor-herói.

Nem todos os empreendedores são bons vendedores, aliás muitos, de fato, tem pavor de enfrentar o cliente, o que não significa que não vão construir negócios de sucesso. O importante é que o negócio precisa vender, mas não o empreendedor necessariamente. De novo, o recado continua válido, determinação, persistência, carisma e outras qualidades importantes em qualquer empreendedor, mas não precisa saber vender. A intenção de deixar este filme fora da minha lista, mais uma vez, é desmistificar a ideia que todo empreendedor sabe vender e que todo bom vendedor é empreendedor.

5. O Diabo Veste Prada

O Diabo Veste Prada

Outro filme que fez muito sucesso e aparece com frequência nas listas de filmes indicados para empreendedores. Vamos deixar claro aqui, em nenhum momento do filme aparece algum empreendedor ou intraempreendedor, pelo contrário, as referências são sempre da antítese do que um intraempreendedor deveria fazer.

A eficiência em cumprir as ordens da megera Miranda, o diabo do título, por parte da pobre Andy (vivida por Anne Hathaway), sem que ela provoque algum nível de transformação na Runaway Magazine não pode ser confundida com intraempreendedorismo. Ela se vira no improviso, mas ainda é uma seguidora de ordens. Embora o intraempreendedor faça de fato isso, o filme está fora da minha lista porque não quero passar a ideia equivocada do que é um intraempreendedor.

O intraempreendedor é um inconformado, ele transforma o ambiente, ele quebra regras, é indisciplinado. Ora, mas pedir demissão porque você não concorda com a visão da sua chefe não é um ato de rebeldia? Não neste caso, pois não é uma demissão advinda de tentar fazer algo diferente ou mudar algo na empresa, então não há o fator inovação, só o inconformismo pessoal sem a ação.

5 Filmes Para Incendiar Empreendedores

Em tempo, na foto que escolhi para este post estão algumas imagens de filmes que recomendo para empreendedores e estão no meu livro, a saber: Jobs, A Rede Social, Jerry Maguire e O Homem que Mudou o Jogo.

Artigo anterior7 Maneiras Para O Empreendedor Se Manter Motivado
Próximo artigoCongresso Sucesso na Crise Levará Soluções para Educar Empreendedores
Marcos Hashimoto
Doutor em Administração de Empresas pela EAESP/FGV. Professor titular do Mestrado Profissional em Administração de Empresas da Faccamp. Também é professor nos MBAs da FIA, da Unianhanguera e da Damásio Devry. Montou e coordenou os Centros de Empreendedorismo do Insper, Faap e FGV, onde também foi professor de Empreendedorismo na graduação e na pós. Também lecionou na ESPM e na BSP. Possui ampla experiência executiva em multinacionais como Cargill Agrícola e Citibank. É autor de 4 livros sobre empreendedorismo e negócios. Consultor de inovação corporativa para corporações e educação empreendedora para universidades. Dentre suas paixões estão as artes marciais (Faixa preta de Karatê Shotokan segundo dan) e cinema.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here