Eu estudei na escola de propaganda e marketing mais desejada do Brasil: a ESPM. Nos meus quatro anos de ESPM eu nunca fui apresentado a uma matéria chamada EMPREENDEDORISMO. Eu nunca fui apresentado a nenhum tipo de aula sobre como abrir uma agência de propaganda, uma consultoria de marketing ou qualquer coisa do tipo.

Fora as aulas, as palestras esporádicas que a faculdade oferecia aos alunos eram sempre com alguma figura famosa da propaganda brasileira mostrando o seu rolo de comerciais premiados em Cannes. 9,5 em cada 10 amigos que estudaram comigo queriam trabalhar em grandes empresas e grandes agências. O sonho do ESPMer nos anos 90 era virar estagiário do Julio Ribeiro da Talent, mesmo que fosse para trabalhar de graça.

Eu estudei na ESPM no início dos anos noventa e posso garantir a vocês que nada mudou em 15 anos. Tudo continua igual. A única diferença é que a molecada hoje quer trabalhar na África ou Agência Click.

Eu acredito que as escolas de negócios deveriam ensinar, incentivar, promover e evangelizar o EMPREENDEDORISMO como caminho para os seus alunos serem bem sucedidos na vida.

Mesmo porque a Agência Click tem meia dúzia de vagas de estágio, e a faculdade tem 600 alunos.

Mas o quê exatamente as escolas de negócios deveriam ensinar sobre empreendedorismo?

1. Lidar Com as Pessoas

No final de uma faculdade de administração de quatro anos, os jovens passam seis meses fazendo um trabalho de conclusão de curso pasteurizado prá daná. A molecada segue o template que o professor recomenda: “fazer um documento completo com visão, missão, valores, metas, números, swot, balanced scorecard, análise competitiva, tecnologia, estratégia, balancete etc”.

A faculdade ensina que o jovem tem que ter um plano bem feito e bem estruturado para a empresa acontecer e depois, basta implementá-lo para a coisa toda acontecer. Ledo engano. A escola esquece de ensinar que existe o componente pessoas nas empresas e que esse recurso pode acabar com o super bem estruturado plano de papel.

SUGESTÃO PARA AS ESCOLINHAS DE BUSINESS: Criar a matéria “Aprender a lidar com seres humanos”, onde a molecada será submetida a exercícios de campo onde terão que aprender a influenciar e engajar pessoas de diferentes formações e posições.

2. Ética

A molecada sai da escola sabendo o que são os 4P’s do marketing, mas em nenhum momento são forçadas a refletir sobre as premissas que devem levar em conta ao escolher fornecedores para um determinado produto, formatar políticas de preços para diferentes tipos de clientes e tratar as pessoas.

A faculdade “ensina” o jovem a desejar crescer na vida, mas não fala nada sobre como crescer fazendo o bem para os outros e para si mesmo. Crescer por crescer é a filosofia da célula do câncer!

SUGESTÃO PARA AS ESCOLINHAS DE BUSINESS: Criar a matéria “Ganha Ganha Ganha”, onde a molecada é obrigada a participar de jogos, simulações e interações sobre a aplicação de diferentes éticas no mundo dos negócios.

3. Ter uma Vida

A grande maioria das pessoas que resolvem se tornar empreendedoras o fazem pensando que poderão levar a vida como bem entender. Infelizmente, 99% vai perceber logo no início que o negócio nunca fecha e que o empreendedor nunca pode realmente abandonar a empresa na mão dos funcionários.

É incrivelmente difícil você levar uma vida balanceada quando você é dono do seu próprio negócio. Realmente difícil. Mas é possível. Eu conheço gente que consegue e por isso acredito que é possível.

Família, filhos, estudos, viagens, saúde, exercício para o corpo, exercício para o espírito são visões da vida que de alguma maneira precisam andar em conjunto com a empresa. É difícil, mas é possível.

SUGESTÃO PARA AS ESCOLINHAS DE BUSINESS: Criar a matéria “Vida Empreendedora” para ensinar os jovens a lidar com as diferentes cobranças que a vida terá sobre quem é empreendedor.

4. Risco

A verdade é que a grande maioria das pessoas entra em uma faculdade na esperança de sair de lá com seguro de vida que lhe garanta emprego, bons salários, mulheres bonitas e status. A grande realidade é que nada é certo, principalmente quando o assunto é empreender.

SUGESTÃO PARA AS ESCOLINHAS DE BUSINESS: Criar uma matéria chamada “Tudo ou Nada” onde a molecada é levada por exercícios que as expõe ao risco de ter tudo ou nada, falar em público, fazer besteira, resiliência e muito mais.

5. Quando Investir e Quando Não Investir

Empreendedor é tudo maluco. O cara visualiza uma idéia e sai fazendo as coisas sem qualquer estudo ou preparo.

O Empreendedor é movido pela paixão, o que é bem legal, mas o cara se instrumbica como ninguém. Nem tudo é convergente, nem tudo é compatível, nem tudo é necessário. Não é porque você vende cartucho de impressão que você deve vender impressoras.

SUGESTÃO PARA AS ESCOLINHAS DE BUSINESS: Criar uma matéria chamada “Conquistar 50 territórios ou 3 continentes a sua escolha”, onde o jovem será levado a aprender a como manter territórios enquanto avança mundo afora.

Tô saindo com uma tocha na mão para incendiar as escolas de negócios, quem quer ir comigo?

GestãoClick Gestão Empresarial

  • Pingback: O melhor da semana em 10 links (21 de novembro) | Alejandro Suárez blog profissional()

  • Sheila

    Adorei o artigo….realmente nem as faculdades mais embasadas dão o suporte necessário para o aluno sair da faculdade com diretrizes profissionais. Sabemos das dificuldades encontradas ao longo da construção da carreira, pela simples falta de informação direcionada.
    Muito Bom.
    Parabéns!!!

  • eu levo o alcool hahaha!

  • Pingback: Por André R. S. Guimarães « Empreendedor Capixaba()

  • Pingback: Por Rafael Teodoro Holz « Empreendedor Capixaba()

  • Felipe

    Me formei na ESPM Rio em 2002 foi a primeira turma semestral.
    No útlimo semestre tivemos a matéria Empreendedorismo, aprendi muita coisa nesta aula assistindo e tirando dúvidas.
    Não sei como esta matéria esta sendo dada hoje em dia.
    Mas me ensinou coisas que uso até hoje.

  • Mauro Cardin

    Muto bom o texto! Tudo a ver, boa forma, excelente conteúdo! Acrescento o seguinte: não é só nas escolas de propaganda e marketing que os professores vivem a exibir suas próprias produções. Em todo o ensino superior é assim: o sujeito acha que a sua dissertação de mestrado ou a sua tese de doutorado deve obrigatoriamente fazer parte do currículo. O que é uma tragédia. Abraços.

  • Olá Ricardo,

    Ótimo artigo.Parabéns!

    Eu estudo na Universidade Federal de Juiz de Fora, faço Administração e tenho a mesma indagação que você. Eu escolhi empreender e gostaria muito de poder contar com o apoio da faculdade, mas infelizmente não o tenho. Eu abri minha empresa em janeiro deste ano, estou indo para o 7º período e até hoje não vi nada e nenhum professor que incentivasse essa atitude nos alunos.

    Matéria sobre empreendedorismo não tem, a matéria sobre ética é eletiva, ou seja, é uma minoria da sala que faz, e incentivo não há. Ou seja, eu e mais quem quiser empreendeer vamos ter que aprender na “marra”. Acho que as faculdades deveriam começar a se preocupar com isso e fomentar o empreendedorismo desde o primeiro período de seus cursos.

    Espero que essa realidade mude. Enquanto isso vamos fazendo a diferença por aqui.

    Abraços.

  • Oi, Estou adorando acompanhar seu Blog, estou reoganizando meu negócio e vejo o qt errei em vários fatores, pretendo revender produtos pela internet , como sou iniciante (nem sei como começar, rsrs) acompanho sempre suas dicas, Parabéns pela matéria, Obrigada!

  • Olá Jussara,

    Obrigado pelo apoio e continue nos visitando. Tenho certeza que aprenderá muitas coisas aqui no blog.

    Abraços,

  • Vamos TODOS incendiar as Escolas de Negócios, Faculdades e Universidades de Administração que ACHAM que ensinam alguma coisa!
    Eu passo pela mesma situação. Não há UMA cadeira de Empreendedorismo na minha Faculdade (UFRGS) e os professores só falam em “grandes executivos”.
    Aonde eu pego a minha tocha?
    Abraço,
    Lucas Funchal.

  • Pingback: Maxisite Blog – 5 coisas sobre empreendedorismo que nenhuma escola de negócios ensina()